Me escute querida ( Carta para quando você decidir ir embora)
03/02/2020
Exibir tudo

A criança interior

Vocês devem estar questionando sobre o significado desse título e logo irei te
explicar, mas antes gostaria que responde-se a si mesmo uma pergunta: Quando foi a
última vez que você brincou ou foi legitimamente espontâneo?
Vou contar- lhes uma experiência que tive essa semana. Ganhei ingressos para assistir
um espetáculo de circo e fui sem nem ao menos imaginar o quanto a emoção iria
invadir, e o quanto iria me comover ao ponto de passar a noite em claro refletindo sobre
o que afinal de contas ocorreu com a menina que existia em mim.
Quando criança morava em uma cidade bem pequena e passava meus dias empinando
pipa, nadando no rio, disputando uma “pelada” com a garotada da rua ou andando de
carrinho de rolimã.
Você deve estar se perguntando: mas ela não brincava de boneca?
A resposta é sim, brincava, mas a maioria das crianças do meu convívio eram meninos e
dificilmente eles topavam brincar com esse artefato e era preciso rolar a maior negociação.

Além do mais nunca gostei de brincar sozinha, sempre fui comunicativa.
Um dia, chegou o “Grande Circo” na cidade e eu costumava guardar as moedinhas que
ganhava só para comprar o ingresso e assistir o mesmo espetáculo uma, duas, três vezes,
 simplesmente porque havia o encantamento com “o homem-
elástico”, “o globo da morte”, o palhaço que esguichava água
de uma flor e minha atração preferida, “a moça dos lençóis” – como ela era corajosa,
subia por um lençol até o teto e depois lançava-se rumo ao chão contando apenas com
os próprios recursos do corpo, parando a poucos metros antes de tocar o chão. Ela era
fabulosa!
Bom, como toda infância temos os nossos dias alegres e nossos dias tristes. Para
algumas crianças a realidade pode se transformar em algo muito duro e comigo não foi
exceção.
Com as demandas da vida escutei: engole o choro, senta direito, não ria alto, não grite,
não fique triste, seja mais rápida, tire boas notas – o que vai ser do seu futuro? – não seja frouxa (hoje compreendo que não era questão de fraqueza, mas que sempre tive uma sensibilidade diferente), e nesse processo de me “ajustar” ao que era exigido,
fui perdendo o encantamento, fui perdendo o riso solto, fui perdendo minha leveza e
imaginação… Havia me tornado uma criança e depois um adulto “responsável” e como
sentimento de nunca ser o suficiente, fui me perdendo de mim.

Há alguns anos, resolvi mudar de profissão, me tornei psicóloga e em meus
atendimentos sempre busquei ajudar meus clientes a encontrarem a criança que um dia
eles foram, mas somente compreendi o que isso realmente significa quando “fui me
resgatar” e me tornei uma adulta “boboca” porque brinco, sorrio e choro quando me
emociono.
Quantas vezes nos pressionamos a dar respostas, a não falhar, a ser responsável, a ser
produtivo, a ser sério, a ser respeitável para esconder dos outros e o pior de nós mesmos
que somos frágeis e que às vezes precisamos de colo. Nosso corpo reage enviando
informações como dores de cabeça, enjoos, dores na coluna, coração acelerado,
problemas dermatológicos dentre uma infinidade de outros sintomas….Nosso corpo é
sábio.

Nos transformamos em robôs por medo da espontaneidade e sermos considerados ridículos e ninguém nos querer.

Temos muito que aprender com as crianças, experimente questionar  o que elas querem e você terá uma resposta rápida e sincera.
Certo dia perguntei ao meu filho, o que ele queria ser quando crescesse e ele
rapidamente me respondeu: “quero ser palhaço de circo!”.
Hoje, percebo o quanto isso é bom. O palhaço ri das próprias desgraças, percebe as
próprias limitações, mas não desiste de fazer o que quer, mesmo que leve alguns tombos
e chore, se mantém seguindo em frente com o coração aberto para o novo e com o olhar
da surpresa.
Ontem, reencontrei minha criança interior e ela estava muito feliz por estar mais uma
vez no circo que é um lugar mágico, onde tudo é possível.
Às vezes é ela que me encontra e diz que preciso reduzir o passo, comer sonhos (aquele
doce feito de creme de ovos), brincar um pouco mais e que vai ficar tudo bem. Sou
eternamente grata a ela.
Busque a sua criança interior e pergunte o que ela precisa.
Você pode ficar surpreso com a resposta.

Clique aqui
1
Fale com a Psicóloga
Fale com a Psicóloga